Esta Noite 20:00 - 20:45Colisão E4 (Reino Unido)

Cinema bulgaro

Cinema bulgaro

Como em vários países europeus, a indústria cinematográfica neste país dos Balcãs começou pouco depois do início do século 20. Poucos anos depois da histórica projeção dos irmãos Lumiere, os primeiros cinemas itinerantes começaram a se tornar populares na Bulgária, e em 1908 o primeiro cinema abriu as suas portas ao público.

Vassil Gendov

Vassil Gendov

Nesse período, diretores de cinema amadores e produtores, apoiados pelos intelectuais do país, começaram a brilhar. Como em outros países, as histórias levadas às telas foram baseadas principalmente na literatura popular da época e representadas por atores, que até então só haviam atuado nos cinemas. Essa era, que durou até meados dos anos 30, testemunhou a ascensão de pioneiros do cinema búlgaro, tais como: Vassil Gendov, Grejov Boris, Vazov Alexander, Petar Stoychev e Bakardjiev Vassil.

As coisas mantiveram-se praticamente as mesmas até o fim da Segunda Guerra Mundial, quando o país foi deixado sob a influência do comunismo da Rússia. As empresas foram nacionalizadas para servir aos propósitos de difundir as ideologias do Novo Estado. A indústria cinematográfica, apesar de ser restrita e censurada, teve um impulso econômico substancial, permitindo que seus membros estudassem e se profissionalizasem em um curto espaço de tempo.

Durante a era soviética, entre 1945 e 1990, a maioria das histórias do cinema búlgaro foram os dramas sociais de migração do campo para as cidades, o existencialismo e o romance. Esse período também testemunhou um movimento notável do cinema de animação.

Quando o muro de Berlim e a autoridade Soviética caíram, foi permitido o estabelecimento das produtoras privadas, mas a redução do orçamento designado para apoiar a indústria cinematográfica caiu drasticamente.

Só houveram mudanças depois de 1991. Novas empresas como Boyanna (filmes), Vreme (documentários) e Sofia (animação) começaram a produzir filmes independentes para manter a indústria viva. Apesar dos tempos difíceis, os primeiros filmes independentes surgiram em 1992, com projetos como Balas no Paraíso, de Sergei Komitski (Kurshum za raya) e College, de Ralitsa Dimitrova (Kolezhat).

Na década de 90, diretores como Ilian Simeonov, Hristian Notchev (A Fronteira, 1994) e o veterano Georgi Dyulgerov (Chernata Lyastovitsa, 1997) usaram a crítica ao falido regime comunista como argumento principal em seus filmes. Esses filmes foram duramente criticados pelos críticos devido à sua falta de talento.

No entanto, produções melhores vieram 10 anos mais tarde, com cineastas como Iván Pavlov com Starting from Scratch (Vsichko ot cânula, 1996), Stanimir Trifonov com Batalha dos Lobos (Hayka za valtsi, 2000), Iglika Triffonova com Carta para a América (América do Pismo, 2000), e por último mas não menos importante, Iván Nichev – o diretor búlgaro mais prolífico desde os anos 70 – com Depois do Fim do Mundo (Sled kraya nd sveta, 1998).

     

Carta para a América

Carta para a América

Mila de Marte

Mila de Marte

 

Ao mesmo tempo, a abundância de produções búlgaro começou a ganhar reconhecimento e premiação em festivais de cinema. Entre eles estão o Prêmio Especial do Júri no Festival de Cinema de Sarajevo de 2004 a Zornitza Sophia, por Mila de Marte e um ano depois, a jovem atriz Vessela Kazakova recebeu o Prêmio de Melhor Atriz em Moscou por Olhos Roubados em 2004. O filme também ganhou o Urso de Ouro no Festival de Cinema Internacional de Berlim de 2006.

Recentemente, as condições econômicas têm prejudicado produções cinematográfica do país. Depois da queda financeira mundial em 2010, o governo anunciou cortes no orçamento designado para o apoio ao cinema, e só pode patrocinar sete filmes longos por ano.

Voltar ao Eurocinema

 

Inscreva-se para receber o Boletim Informativo do Eurochannel!

Não perca as nossas últimas programações, sorteios e eventos exclusivos!