O Cinema Norueguês

O Cinema Norueguês

le_grand_baptème

O Grande Batizado

Como país que conquistou a sua independência da Suécia em 1905, a Noruega aderiu-se à indústria do cinema um ano depois, pelo menos é uma das versões da história do cinema do país. No entanto, pouco se sabe sobre o primeiro filme na história do cinema norueguês, as duas versões principais dizem que Hugo Hermansen produziu o primeiro filme em 1906 ou 1908. O nome também é desconhecido, porque o filme está perdido e alguns documentos permanecem, mas dois nomes possíveis revelam que poderia ter sido chamado Perigos da vida de um pescador o Um Drama no mar.

Durante o decurso dos primeiros dias, até a Segunda Guerra Mundial, os filmes noruegueses foram dominadas por histórias baseadas em livros, romances e cenários ao ar livre, observando a década dos 30, chamada como a Era de Ouro do cinema norueguês com filmes como O Grande Batizado (1931) o primeiro filme falado.

Quando a Segunda Guerra Mundial chegou na Noruega, a indústria cinematográfica foi objeto de censura nazista, como em muitos outros países sob o terceiro Reich. No entanto, este período deu organização para a indústria do cinema norueguês, estabelecendo as primeiras políticas, leis, direções e fundos.

O fim da guerra, como em muitos países, ofereceu liberdade e novas ideias para o cinema na Noruega, e foi então quando surgiu a primeira diretora mulher, Edith Carlmar, se transformou em uma lenda da indústria do cinema de seu país graças a seus mais de 10 filmes durante seus 20 anos de  carreira a partir de 1959. Além dela, um carpinteiro inovador, Ivo Caprino, aventurou-se filmar bem usando fantoches e tornou-se um dos pioneiros da animação na Noruega.

Durante os anos 50 e até os anos 80, a indústria do cinema da Noruega viu diferentes tendências e um dos mais importantes sucessos na sua história: o único Prêmio Oscar do país. Em 1952, em meio a um boom de filmes documentários, Thor Heyerdahl tornou-se em vencedor do Prêmio Oscar ao melhor documentário, graças a uma expedição que filmou em uma de suas aventuras no Pacífico a finais da década dos 40s.

     

Thor_Heyerdahl

Thor Heyerdahl

hans_petter_moland

Hans Petter Moland

 

Depois de uma predominância de estilo francês nos anos 60, os filmes dos anos 70 dedicaram-se principalmente ao realismo social. Intencionalmente politizado e longe da ideia de proporcionar entretenimento para as massas, diretores como Oddvar Touro Tuhus gostavam de dar sua própria e às vezes atrevida perspectiva da realidade. Esses anos também vieram a chegada do feminismo para a tela grande com a Trilogia Esposas pela pioneira diretora Anja Breien.

A partir dos anos 80, para apresentar o cinema norueguês tiveram que olhar para a estética dos Estados Unidos a fim de alcançar o êxito que obteveram no passado depois de uma enorme perda de interesse do público local. Através destes últimos 30 anos, os assuntos tratados pelo cinema norueguês variou de suspense à ação para dramas familiares com faíscas de toques de Hollywood. Diretores como Hans Petter Moland diretor do Camarada Pedersen, Pål Sletaun e Erik Skjoldbjærg ganharam reconhecimento internacional participando em festivais internacionais de cinema com seus filmes, posteriormente chegando a dirigir filmes nos EUA.

Voltar ao Eurocinema

Inscreva-se para receber o Boletim Informativo do Eurochannel!

Não perca as nossas últimas programações, sorteios e eventos exclusivos!